terça-feira, 24 de julho de 2012

Olhares Indiferentes !!!!


O abandono de animais, principalmente filhotes, é uma prática deplorável e recorrente em todos os lugares. Do centro à periferia cães de todas as idades e acometidos de doenças as mais diversas, desfilam seu abandono e suas mazelas ante os olhares indiferentes da população.

Tal atitude humana, criminosa e irresponsável quanto ao abandono e omissiva quanto ao sofrimento, mostra o grau de involução de nossa espécie. Em vez de evoluirmos, adotarmos novos parâmetros quanto à maneira como interagimos com os demais seres, seguimos embotados pelo egoísmo inconsequente.

É deprimente que abrigos de animais continuem abarrotados. Mesmo cuidados e alimentados por abnegados, milhares de animais seguem sua sina de prisioneiros eternos, despojados do que lhes mais lhes é primordial: o carinho de um tutor. Com um pouco de boa vontade muitos desses animais poderiam experimentar a alegria de conviver num lar que lhes proporcionasse vida digna, amor e liberdade.

O sofrimento alheio há muito não nos comove e a compaixão é um conceito em desuso, soando até piegas para alguns. O pragmatismo existencial é a marca registrada da maioria e prevalece o cada um por si. Num mundo capitalista, no qual o individualismo e o acúmulo são marcas registradas, ai daqueles que não tem como prover suas necessidades.

Mas a frieza ante as mazelas dos demais seres humanos e animais não é privilégio de descrentes. Boa parte da massa de fiéis que acode diariamente às missas e cultos tão logo deixa templos e igrejas fecha-se em seu individualismo exacerbado, em sua fé cega, que não enxerga o pedinte esfaimado ou o cão sarnento que apodrece nas ruas, sem água, sem comida e sem esperança de cura.

Que crença é essa que não os impele para a caridade e a compaixão? Em que canto obscuro de suas mentes e almas jazem a piedade, a solidariedade e a doação?

Cedo ou tarde cada um de nós poderá encarar angustias e dramas. Então deveríamos ter em mente que precisamos uns dos outros. E se não somos autossuficientes para encarar nossos dilemas nada mais justo que estendamos as mãos para o próximo, sejam de que espécie for.

É intuitivo que existem exceções. Há aqueles que professando ou não algum credo exercitam a caridade de diversas formas. Mas o contingente dos que socorrem, compreendem e acolhem os desafortunados é exíguo diante do contingente de desassistidos.

Distantes de alcançar de alguma forma a iluminação, a humanidade segue em existência robótica, indiferente aos que clamam por respeito e solidariedade.

Servilio Vieira Branco
OAB/SP 119.218

E-mail: brancolex@hotmail.com

2 comentários:

  1. Assino embaixo, texto solidário, responsável e mostra compaixão... aliás o que menos existe por aí, principalmente com os animais.

    Tais

    ResponderExcluir
  2. Blog fantástico, é para mim um privilégio poder ler as suas palavras, de certo que mais vezes virei aqui, no entanto agora vim para encontrar novos amigos e ao mesmo tempo divulgar meu blog.
    Quero apresentar o Peregrino E Servo. Gostava que visse meu blog e desejar fazer parte dos meus amigos virtuais esteja à vontade, mas faça-o apenas se desejar.
    Muitas felicidades e saúde.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir

Obrigada, fico feliz em ver você por aqui.